set 09, 2015 / por Ricardo Ventura / Nenhum Comentário

Queremos Ser o Ken ou a Barbie!
Achamos bizarro alguém mudar o próprio corpo para parecer um boneco! Realmente é o extremo da transformação, da transferência para si do objeto.
Os Unos e outras tribos bárbaras, por volta dos anos 400, bebiam o sangue dos vencidos em seus crânios, para que dessa maneira as qualidades daqueles guerreiros fossem transferidas para si.
E quando olhamos de longe sempre nos consideramos normais e os outros é que são os “diferentes”.
Mas será mesmo que não temos um pouquinho ou muito desta bizarrice?
O que são as lipos, os GH´s, as tinturas, as tatoos senão uma maneira de transferir o “poder” que certas “Barbies e Kens” nos transmitem em suas imagens?

O marketing associa “Kens e Barbies” aos seus produtos para que estes transfiram sua personalidade aos objetos e que por sua vez transfira aos seus consumidores.
George Clooney em Santorini passa seu charme e sofisticação à Nespresso que por sua vez acreditamos que seremos tão gato e charmosos quando estivermos tomando um Volluto na nossa cozinha com as contas penduradas na geladeira.

Iremos procurar segurança e leveza usando nossos Dolce e Gabbana.
Iremos conquistar nosso Olimpo ao andar de BMW e mocassins italianos.
Seremos irresistivelmente atraentes usando Axe.
Teremos uma pele de bebê usando Prestobarba.

Os Unos matavam todas as pessoas que não se sujeitassem a entrar em seu bando! E entrar no seu bando era se sujeitar a absorver sua cultura: casar, lutar, trabalhar sob sua batuta, ouvir suas músicas, se vestir ao seu modo, cultuar seus deuses e passar as tradições aos seus filhos.
Nossa como eram ruins!!

O que acontece quando não cortamos o cabelo ao estilo Beckham ou as luzes da Gizele?
Nada! Mas se cortamos, somos aceitos ao novo grupo nômade que chegou e ganhamos “seu poder” e quando chegar outro grupo ao estilo dos Unos devemos rapidamente nos adaptar novamente ou seremos massacrados!

Enfim, pouco ou mais, sempre iremos buscar inspiração naquilo que nos atrai, buscando transferir, pegar um pouquinho das suas qualidades…
Qual é a transferência boa ou ruim? Acredito que a boa é quando a coisa se torna parte de você, a ruim quando ela se torna você!
Sacou?

Ricardo Ventura!
Quero ser maior do que o carro ou os diplomas que possuo.
www.ricardoventura.com.br

*Ricardo Ventura
( Criador do C.F.T – Centro de Formação de Treinadores e do ‪#‎RV‬ Revoluciona Vendas)
Ricardo ministra palestras e treinamentos onde ajuda as empresas e as pessoas a terem uma comunicação mais sedutora, fazendo assim que alavanquem seus resultados.
Próximos cursos: Formação Completa em Vendas com Persuasão (out) e Formação Premium para Palestrantes.(nov)
Para conhecer TODOS os treinamentos e ter acesso ao mais completo portal de conteúdo gratuito acesse: RicardoVentura.com.br – 11.2934-2411

Comentar via Facebook